Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Lorpa

Lorpa

E se o Natal acabasse?

Antes de mais: E parar com esta história do Natal ser um consumismo e mais não sei o quê, não? Sobretudo quando também se faz parte do mesmo. Isso é tão ridículo como dizer que se é a favor do ambiente e depois deitar lixo para o chão. Aliás, deitar lixo para o chão é detestável independentemente da opinião ambiental. Adiante.

 

A quem recorre a expressões "novinhas em folha", tais como:

"O Natal só serve para nos fazer gastar dinheiro"

"O Natal é um consumismo"

"O Natal é uma estupidez pegada"

 

E que (calculo eu) adere igualmente à tradicional troca de presentes... Quero propor o seguinte cenário:

 

O Natal desaparece. Termina de vez, para sempre. Por motivos de força maior ou pessoais, por exemplo, que são as justificações possíveis para o desaparecimento do mesmo. Algo semelhante ao que nós usamos quando o motivo é na realidade, vá lá ver, duvidoso.

Portanto, o Natal sumiu e vós, como defensores do anti-Natal, aplaudem o sucedido (suponho eu). Permitam-me então que continue a imaginar o desenrolar dos acontecimentos e que vos pergunte, desde já, o seguinte:

- Em que outra altura do ano das vossas vidas, vão tornar a lembrar-se de todos os familiares? De enviar uma mensagem àquele amigo do Secundário ou da Universidade? De visitar a tal tia viúva que só visitam nesta altura?

 

Eu sei quando seria, sei. No dia do "temos que lá ir", lentamente transformado numa espécie de nunca. E isso seria lamentável. É bom existir uma altura que, de certa forma, nos obrigue a realizar todas estas tarefas natalícias. O ser humano precisa disso e nem sabe o quanto.

Quero acreditar que, ainda assim, se o Natal realmente acabasse, as pessoas ficariam desorientadas e, pelo sim pelo não, acabariam por arrepender-se do que disseram e continuariam a celebrar o Natal. Ou então ficavam-se mesmo pela "espécie de nunca" e pronto.

 

Enfim, por mais que o Natal nos atafulhe os sentidos com incentivos a abrir falência, que seja vergonhoso cantarmos, dançarmos e sabermos as letras de várias canções de Natal (inclusivamente o pinheirinho, pinheirinho, de ramos verdinhos), que por vezes seja "chato" visitar tanta gente num tão curto espaço de tempo, que haja toda esta pressão de ter tudo pronto a tempo e horas... Por mais que tantas outras coisas, tenho a certeza que teremos sempre as melhores recordações desta época.

 

Comam muito, bebam ainda mais, estejam com quem quiserem (ou consigam) estar, e aproveitem. Acima de tudo, aproveitem bastante. Tudo!

 

 FELIZ NATAL 

 

tree christmas

 

Breve semi-lorpice

... Porque entramos na semana do Natal e eu tenho andado claramente a dormir. Apreciava, vamos lá ver, não andar armado em tuga pelo sei lá quantagésimo ano consecutivo.

 

Trata-se, portanto, de um assunto sério. Eu tenho uma certa dificuldade em lidar com assuntos sérios, sempre tive. Na medida em que grande parte dos assuntos sérios são extremamente engraçados. Por exemplo, hoje vou novamente aproveitar a manhã livre para ir à Segurança Social. É a quarta vez este mês, para tratar de assuntos (aparentemente) sérios relacionados com a reabertura da actividade.

A comédia está em não ter mais nenhum período livre até à véspera de Natal, mas ainda assim ir aproveitar este da maneira que vou. Resta-me portanto acreditar que vou deixar o assunto arrumado. No mínimo. No máximo quero acreditar que a senhora, chegando ao final do atendimento, dirá algo como:

 

 

- Caro jovem, as visitas a que se sujeitou durante este mês faziam parte de um esquema organizado para testar os seus limites. Quero informá-lo que passou no teste e, portanto, poderá escolher uma das seguintes opções de vida:

A) Um cartão presente no valor de 1000€ para gastar como quiser (até mesmo droga, desde que o seu dealer tenha multibanco)

B) Férias até ao dia de Natal

C) Uma réplica da manjedoura original do Menino Jesus (c/ oferta de uma vaca limitada ao stock existente)

D) O cancelamento do Natal

 

É nisto que acredito. Qual é a pior coisa que pode acontecer?

 

 

E vocês, em que é que acreditam?

Boa semana do Natal, minha gente! 

 

P.S.: A opção D afinal está fora de questão.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pág. 1/2